quarta-feira, abril 27, 2011


Paciência...de novo...

Já falei sobre "ter paciência" aqui no blog algumas vezes. Já disse que minha paciência é quase infinita e que, na maioria das vezes, é bem difícil eu me descontrolar. Só que ultimamente tenho me descontrolado muitas vezes.

O André está em uma fase complicada de birras. Antes eram birras ocasionais e já sabiamos lidar com elas, o cantinho para pensar funcionava super bem e tudo era resolvido rápido. Só que agora parece que nada funciona direito.

Ele faz escândalo TODOS OS DIAS e PRA TUDO. Hora de ir pra escola, ele cisma que não quer ir e começa a chorar, gritar e ficar nervoso. Hora do banho, ele cisma que quer que o pai dê banho (pai esse que ainda não chegou do trabalho) e começa a chorar, gritar e ficar nervoso. Hora de jantar, ele cisma que quer jantar chocolate e começa a chorar, gritar e ficar nervoso.

Eu estou emocionalmente esgotada. Eu fico calma, converso, argumento, explico....ele grita ainda mais alto. Coloco no cantinho pra pensar, ele não fica, grita e foge. Eu pego de volta e coloco no cantinho novamente, ele me bate. Eu converso de novo e ele cospe em mim....Essa cena se repete ao menos uma vez por dia.

Eu digo que eu não bato nele e ele não pode fazer o mesmo em mim, que eu não cuspo e nem o empurro, então que ele não pode fazer o mesmo em mim. Mas ele faz de novo e então não sei como agir...

Ele está super enciumado por causa da Nana, que está andando e fazendo mil gracinhas. Eu entendo, procuro ser compreensiva, dar uma super atenção pra ele, elogiar, reforçar a autoestima, mas tenho a impressão que nada funciona.

Nesses momentos de nervoso, ele não ouve as coisas que eu explico, então espero passar e converso depois que ele se acalmou, mas então ele disfarça, muda de assunto, faz uma gracinha. Não sei nem mais qual o momento certo de conversar porque parece que tenho dois meninos diferentes, um doce e alegre que quer ver a mamãe feliz e diz que é bonito e bonzinho. E o outro nervoso e irritado que não ouve ninguém e não pode ser contrariado.

E eu tenho perdido a calma mais do que gostaria. Fico nervosa, grito, falo alto e saio de perto falando bobagens como "Eu não aguento maaaaaaaaaaais" ou "que coisa chataaaaaaa". Sei lá, falando besteiras.

E me culpo. Me sinto uma b#$%*& de mãe, uma mãe que não está sabendo lidar com os momentos de birra, uma mãe cansada e esgotada que tem vontade de sentar no chão e chorar quando ele começa com uma cena dessas, uma mãe sem saco de argumentar. Normal, né? Todas nós temos as nossas fases de cansaço, mas dessa vez o cansaço é emocional, estou desgastada.
Como faz?

* Eu adoraria ter escrito um post alegrinho contando as gracinhas da Nana ou as conversas deliciosas com o Dedé, mas acabei escrevendo mais um post da série desabafos....
To tão tristinha, gente...snif...
26

26 comentários:

Mãe do Pitoco disse...

Rê, tô com dó de você e queria estar pertinho para poder lhe ajudar de alguma forma. Mas como não posso, vou falar o que costumo fazer quando chego ao meu limite: eu desabo. hehe

Sério! Eu desabo em choro, e libero parte do meu cansaço assim. A outra parte eu tento resolver desabafando com meu marido, conversando a gente sempre acha alguma solução temporária no dia a dia para aquela fase difícil por que estamos passando.

Eu sei que não é fácil, mas a melhor pessoa para lhe ajudar é mesmo seu marido, com uma boa conversa e pequenas alterações na rotina que só vocês podem elaborar.

Aqui procuramos manter o mantra em mente: "vai passar, vai passar, é só mais uma fase entre tantas outras difíceis pelas quais já passamos".

Pitoco tb está nessa fase de alternar personalidades. brincamos que o terrible two é, na verdade, o terrível menino bipolar.

Aqui percebemos que ele fica muito mal humorado depois que tira o cochilo da tarde, então evitamos o confronto com ele nesse momento, sequer falamos com ele. Preferimos que ele inicie o papo, senão fica mal humoradíssimo. Logo ele se acalma e fica super bem.

Outra coisa: fim de semana sem a escola para gastar energia, ele fica doido. Então procuramos fazer pelo menos uma atividade fora de casa para ele relaxar e gastar energia.

Eu já tentei, em momentos em que estou doente e ele terrível, ficar sozinha no quarto enquanto ele fica na sala com o pai, mas não tem jeito, só nos estressamos.Então peço para ele ficar ao meu lado brincando, mas sem pular em mim etc.

Boa sorte, Rê. Sinta-se abraçada, viu?

Carol Passuello disse...

Que difícil, Rê! Desculpa, mas não sei nem o que te sugerir... Vem cá, te dou um abraço!
Bjs

Anne disse...

Querida, vamos por partes!

estamos todas assim de alguma forma você não é a única. joaquim ainda não esta na fase do Dedé e eu perco a paciência 3x2.. já andei chorando, com ele chorando no colo.
Tento pensar que isso é normal.

Outra coisa importante é acreditar na fase. É FASE! e o bom é que fase passa!!
o tempo todo eu penso que vai passar, que é só mais essa briga, só mais essa birra, só mais essa noite. O que leva a gente ao desânimo total é acreditar que as coisas vão ficar assim por um bom tempo, não vão acabar... mas elas vão passar no seu tempo.

Eu de madrugada penso: estou criando um monstro, ele é mimamdo, não vai ter limites, vai ser dependente, bombar na escola, nçao vai entrara na faculdade arrumar uma idiota para casar, separar e viver infeliz... olha que loca?!!
Só pq ele não dorme? Caaaaaaalma, um dia ele vai dormir!!

Estou aqui tentando te divertir mas o certo é te dizer: estamos juntas, não pe só com você e vai passar!!

BJO

Dê Freitas disse...

Ô querida, que triste mesmo. Mas olha, minha sobrinha tem uma idade próxima a do Dedé e faz as mesmas coisas. Sei que não acrescenta muito, mas fique em paz que isso não se trata de falta de competência.

Bjo grande!

Cynthia Santos disse...

To no clube, querida... Arthur tb tem seus momentos "menino terrível", está com dois anos e três meses e me deixa loucaloucalouca. Também tenho meus momentos choro,gritos e as famosas frases...ehehehe mas procura conversar com a professora, ele pode estar imitando o comportamento de algum coleguinha, e por isso a birra acontece tão aumentada assim...
um grande abraço, e não fique triste, isso acontece com 10 entre 10 mães!

Júnia disse...

Nossa Rê, posso imaginar seu cansaço, pq. esgotamento emocional é a pior parte da maternidade. O que funciona comigo é por pra fora, ou seja, chorar pra valer, de ficar com o olho inchado. Claro que longe dos filhos e de qq pessoa. Chorar no seu canto, no seu momento, liberar toda esta tensão. Depois dá um alívio, que vc vai até rir da situação! E aí vc estará pronta pra recomeçar. bjo e boa sorte.

Roberta Lippi disse...

ô Rezoca. Essa fase é chatíssima mesmo. E não tem muito o que fazer além do que você já está fazendo. Me lembro a primeira vez que a Luísa começou a ter essas coisas, parecia que minha filhinha tinha sido abduzida. Foi difícil lidar. Fui até na escola conversar. Mas depois compreendi que era uma fase e logo as coisas se acalmaram.
Difícil deve ser você não ter uma pessoa que te ajuda pra poder "entregar" o monstrinho de vez em quando até essa fase passar. Esse distanciamento ajuda um pouco quando nossa vontade é esganar.
Força aí, amiga. Qualquer coisa, grita de novo.
Beijos

Anna disse...

oi Rê, super te entendo. O Dedé o o Luquinhas têm idades parecidas, né...

E também volta e meioa eu perco a paciência, viro uma mãe daquelas que eu jurava que nunca seria (daquelas que gritam). Mas a gente é de verdade, né? TEmos nossos limites, ficamos cansadas, temos dias ruins.

Uma coisa que percebi aqui em casa é que essas cenas de birra/chororô ficam acentuadíssimas quando o pequeno tá com sono. Por conta disso antecipamos o horário dele dormir de noite e digo que metade do problema foi embora.

E no mais, tenho tentado "escolher" as batalhas, senão a gente pira.

E crença no mantra: vai passar!

Beijinhos e um abraço virtual.

Anônimo disse...

Bom sei que muitos não concordam,mas eu usa a vara. Prefiro agir como a biblia ensina, porque pra mim Deus sabe mais que psicologos.Sei que não é facil, precisa de oração para que ao fazer você tenha paz e não se sinta culpada.Assim esta escrito na biblia:

**A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela.Prov: 22:15
**A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe.
Prov29:15
**Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá.
Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno.
Prov:23:13 e 14.
**O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga. Prov 13:24

fabiany maximo - fabydovi@hotmail.com

Susan disse...

Oi Renata!
Meu filho ainda não está nessa fase, mais eu lembro muito bem de quando minha irmã era pequena e ficava desse jeito com a minha mãe, um amigo psicólogo disse pra ela tentar o seguinte nessas situações de estress, que quando estivesse gritando, chorando era pra não falar pra parar e sim incentivar mais, do tipo, "Isso chora mesmo, chora mais, não tô ouvindo.." aí sabe o que acontecia, minha irmã parava na mesma hora, ela via que não adiantava fazer aquela birra toda pra chamar a "atenção". Até que um dia ela parou com isso. O psicólogo falava que tudo isso era pra chamar a atenção e ela fazia isso porque sabia que nessa hora a atenção era voltada toda pra ela, e as reações que ela esperava dos meus pais eram ao contrário.
Outra coisa que você citou é a atenção dividida com a irmã, eu falo porque sou a irmã mais velha, e a gente perde o trono mesmo, mesmo os pais se desdobrando de atenções com a gente, mais não é a mesma coisa que antes quando éramos únicos na vida dos pais, é difícil mesmo. Uma vez eu assisti o programa da Super Nanny (adoro!) e vi que a Nanny sugeriu á mãe passar um dia ela com o irmão, um programa só dos dois, será que isso não ajudaria?
Mais olha, siga o que você achar mais coerente, o que você sentir no coração que precise ser aplicado naquele momento, você vai conseguir, você vai descobrir o melhor jeito, mais continue respirando fundo, hehe!
Um grande beijo

Camila disse...

Ai, Rê, que difícil... Eu acho realmente q o ciúmes do mais velho realmente aparece qdo o caçula começa a andar e fazer gracinhas mil. Daí, querida, a gente tem q se virar um milhão e dividir cada vez mais e melhor as atenções, assim como fazê-los interagir e brincar mais juntos, já q isso vai ficando cada vez mais possível e viável. Agora, a maldade total, mas q dá certo, é não dar bola pra chilique, ignora, sabe? Consegue?
Bjos e boa sorte com o seu Dedé!
Bjos,
Camila
www.mamaetaocupada.blogspot.com

Lu disse...

Que coisa chata, lendo seu post fiquei chateada...
mas não se culpe, vc antes de ser mãe, é ser humano. Pq filho 'pensa' que mãe tem super poderes...
talvez seja por isso que teste tanto nossa paciência.

Vc nem pode comemorar as descobertas da Nana, pra não causar mais ciúmes...imagino como deve ser difícil, minha irmã tem um menino de 2a8meses e vc descrevendo o André parecia estra descrevendo meu sobrinho... ele tem ciúme da minha bebe de 6meses,e não moram juntos, imagino irmãos na mesma casa.
Minha irmã tb fica passada com ele, acho que menino é mais difícil que menina, parece que são mais 'nervosos'...
Como a Anne disse é uma fase, e nesta fase um dia de cada vez, uma conquista de cada vez é uma grande vitória.
Coragem, coragem.
beijo

Lia disse...

Nossa, Rê, que barra... Acho que, mais cedo ou mais tarde, todas as mães de mais de um filho passam por isso. Hoje mesmo a Paloma publicou um post sobre os ciúmes da Ciça. Eu não sou a melhor pessoa pra te aconselhar (apenas para ficar desesperada com o que me espera... heheh), mas acho que, pra começar, você podia tentar achar um tempinho pra descansar. Quem sabe pedir ajuda de algum parente pra passar uma tarde com os meninos, e você poder tirar aquela soneca? O cansaço é a raiz da impaciência...
Beijos, coragem, e VAI PASSAR!

Mãe de Duas disse...

Passei por isso uns meses atrás e o que deu certo foi a terapia do abraço. É preciso (mais) paciência de monge budista e ficar repetindo o mantra que ele é apenas uma criança você é adulta e consegue (?) se controlar melhor do que ele. Ele bateu? Vc abraça. Gritou? Vc sussura. Fez cara feia? Olhe com ternura. (Chorar escondido depois é ok). O bom é que os efeitos se estendem por toda a família e a troca de gentilezas é geral. Aqui deu certo e com efeitos duradouros.
Outra coisa, Rê, leve o André para uma tarde só de vocês dois. Vale tomar sorvete, brincar no parque, comprar um presentinho. Mas só vocês, bem juntos, bem especial.
Boa sorte!
Priscilla

Maria Carolina disse...

Sei bem como é isso. Eu choro, fico triste, me sento incompetente... Dá vontade de sair correndo! Eu AMO ser mãe não vejo a hora de engravidar de novo mas é difícil conter as lágrimas quando eles desobedecem. Seja firme, carinhosa e muito paciente. Sinta-se abraçada.

Carolina disse...

Sei bem como é isso. Eu choro, fico triste, desanimada... Dá vontade de sumir! Eu AMO ser mãe mas não é fácil lidar com birras. O Bruno me tira do sério quase bato mas me seguro e tento ser o mais "adulta" possível, me manter centrada. Seja paciente, carinhosa, desabafe. Porque eles no fundo são meninos lindos, espertos e muito carinhosos. Todo mundo diz que é uma fase então deve ser né? (eu espero!)rsrs. Sinta-se abraçada.

http://bruniceseafins.blogspot.com/

Bebê Beat disse...

Adorei seu blog!!
Tambem tenho meus momentos de cansaço, ja me vi nessa situaçao de me sentir exausta, passar do 'limite". Normalmente dou um tempo, "saio de cena", vou contar ate meus 10, beber chá.
Passa, passa para nós e a para as crianças tambem.
A culpa tb vai passar.
Beijos

Paloma, a mãe disse...

Re, na idade dele TODAS as crianças são assim. O melhor que vc tem a fazer é desabafar mesmo, porque é mega desgastante - ainda mais com uma bebezinha para dar atenção - e curtir os momentos bons. E, nos momentos bons, tentar fazer combinados com ele, para que ele não chore em TODOS os banhos e TODAS as refeições. Eu passei por esta fase grávida da Clarice, parte dela com o marido longe, e chorava todos os dias. Quase surtei. Mas te digo que melhora muito. E os combinados funcionam um pouco.
Beijos

Ragas disse...

Rê,
JG já teve uma fase assim... acordava até de madrugada e começava a gritar, jogar as coisas.. não queria ir pra escola, não queria tomar banho, jantar colocar roupa... quanto mais eu falava, mais ele gritava, chegava até a me bater!! Eu tb não gosto dessa coisa de bater em filho!
Não é fácil... mas o jeito é ignorar!
Veja se ele não vai se machucar e saia da sala, do quarto, da cozinha... vá para outro lugar da casa e mostre que está ocupada com outras coisas, logo ele vai perceber que essa birra toda não adianta nada!! Eu fiz isso e deu certo!!
Força na peruca! Rs!!
Bjo

Mari Hart disse...

Re!! Não somos super mulheres, portanto trate de colocar essa culpa de lado ok?! Humpf. Tristinha jamais, as melhores famílias passam pelo mesmo, pode apostar!

E ele está em plena fase "Terrible Two!" Já ouviu falar?! Vc descreveu exatamente essa fase que acredite, passa!

Beijo grande pra vcs todos!

Dani Santana disse...

Rê,

Que situação hein! O Toti éstá com 1 ano e 2 meses e já começou com as birras. é tão difícil ter paciência e agir da forma certa.

Quanto as atitudes extremas de bater e cuspir, acho que você deveria confiscar alguma coisa que ele gosta. Tipo o boneco do Woody! Pra ele aprender que esse comportamento tem consequência. Na hora ele pode ficar mais irritado, mas depois quando ele começar você usará algo que ele gosta como argumento para que ele se comporte. Até ficar sem passear, sem desenho.

Espero que te ajude! Que Deus lhe encha de paciência!

Bjs,

Ivana - coisademae disse...

Nossa Rê, fiquei cansada só de ler seu post! Meu Deus, como deve estar sendo difícil pra você! Olha, continue firme, converse, insista nos combinados e o acolha muito, com abraços, beijos e muito carinho. Com o tempo isso passa e acredito que ele mesmo vai perceber o exagero. Ainda não cheguei nesta fase, mas já estou me preparando psicologicamente!

Você é uma mãezona, as coisas vão se ajeitar, vc vai ver. E, olha, desabafa, chora, que é bom, liberta!

Levanta a cabeça e joga a culpa fora!

Bjos!

Liten disse...

Menina que fase!

Minha cunhada tem um menino na idade dele e uma bebe e esta passando pela mesma coisa!

Vou pedir alguns conselhos para ela e te escrevo!

Mas acho que logo passa!

beijos

PedroDeLu disse...

Oi Renata, tudo bem?

Meu filho tem 1 ano, ainda ão passei por essa fase, mas já passei e passo por algumas que você já passou provavelmente.

Não se importe com o teor dos posts, é importante entre os blogs a gente compartilhar tudo da realidade de mãe.

Vou objetivar o que eu acho:

-André pode estar com ciumes da Nana e não sabe como expressar isso, quer chamar a atenção também; (se nós adultos temos chiliques imagine as crianças que não entendem bem o que sentem);

-Nós adultos temos mania de interpretar o mundo das crianças dentro do nosso ponto de vista, a gente tem entrar no mundo deles;

-Nós mudamos juntos com eles nas fases;

-Amor, amor,amor...

- O marido é um excelente companheiro e apoio nessas horas...

- Você está no caminho certo, outras mães desse nosso mundo louco, já teria batido e xingado.

PARABÉNS PELA PACIÊNCIA POR DIVIDIR ESSE MOMENTO CONOSCO...

FIQUEM COM DEUS..

ABRAÇOS

Fabiana disse...

Ai, Rê.
Eu também não tenho experiência para compartilhar sobre isto.
Mas Sorocaba é logo ali. Vem cá, pra eu te abraçar, amiga?

Ricso disse...

Irmã, tá tudo certo e "nos conformes!" Todos os pais passam por isso. Só um comentário a acrescentar: o relacionamento entre pai e filho (mãe e filho, etc) é, por definição, assíncrono! Pai e mãe não são e nem podem ser "amigos" dos filhos - o que não quer dizer que não devamos dialogar, entender, abraçar, etc. - tudo o que entendemos que "amigos" devam fazer. Isso significa que, em determinado momento, nós adultos temos que ter o discernimento de que a oportunidade para o diálogo já passou / esgotou / encerrou, e temos que exercitar a autoridade.

Exercitar a autoridade não é necessariamente "usar a vara" como diz até na bíblia, e sim, interromper o diálogo propositadamente, para mostrar que, nesse relacionamento, tem SIM um que manda e outro que obedece!

Agora, pra isso também precisa da sua super paciência, determinação, persistência e até astúcia, nem que seja para vencer "pelo cansaço," mesmo que você esteja mais cansada que ele ;-D

E agora, um consolo: quando tudo isso não resolver, liga pro Tio Rica que ele vem ajudar!!!

Beijo! Love you bunches!!

Rica