segunda-feira, agosto 02, 2010


Naninha e o maior amor do mundo

A Naninha está cada dia mais linda.
Ela é boazinha de tudo, chora só quando está com sono, mas aí chora com vontade como eu nunca vi o André chorar...ah, essas mulheres...rs!
Ela mama direitinho, dorme super bem, estica 5 ou 6 horas durante a noite e tira cochilinhos gostosos durante o dia, mesmo com o barulho do André.
Conversa horrores com a mamãe, grita bem alto, dá muitas risadinhas, fala "aaaaaaaaaa uuuuuuuu" e adora brincar no tapetinho de atividades.
Tá cada dia mais espertinha, uma fofoleta!

Hoje a Mari fez um post dizendo ter medo de não amar o segundinho tanto quanto ama o primeiro. E eu JURO que também tinha o mesmo medo...achava meu amor pelo André tão maior do mundo, que acreditava ser impossível amar outra criaturinha da mesma forma, mas gente - NEM SEI EXPLICAR O TANTO QUE EU AMO ESSA MENININHA.
É o mesmo amor, nem maior, nem menor e nem diferente - é o mesmo amor maior do mundo, a mesma sensação de que eu sou capaz de tudo por essas duas pessoinhas!
E a cada sorrisinho de bocona aberta que eu ganho dessa menininha eu tenho mais vontade de dizer a todas as pessoas do mundo: tenham filhos, vcs não imaginam o quanto é bom!
Eu super respeito quem opta por não ter filhos porque eu acho que a decisão é complicada mesmo, envolve muitas questões, muita disposição e tal...só tenho pena porque essas pessoas nunca conhecerão o tal do amor maior do mundo! E eu sou tão mais feliz depois que eu conheci, que eu acho que todo mundo tem que experimentar essa felicidade!!!

Maridão costuma dizer que o amor que os pais sentem pelos filhos deveria ter outro nome, um nome específico, já que em nada se parece com o amor que sentimos pelas outras pessoas. E eu ainda ouso afirmar que o amor de mãe é ainda maior que o de pai (coisa feia falar isso na semana dos pais!!!! rs!). Será maior mesmo ou apenas diferente???
8

8 comentários:

Kah disse...

Também tenho esse medo. Na verdade, acho que esse é o medo de 9 entre 10 mães/futuras-mães de segundinhos...
Beijos

Lia disse...

Rê, eu tô aqui aos prantos porque Emília vai pra creche amanhã. E essa última semana foi tão boa, mas tão boa, que eu declarei: "A felicidade existe. E o nome dela é Emília". Ter filhos é experimentar um pedacinho do céu.

Fá, Mãe da Ana Luiza e do Grãozinho disse...

Rê, eu li o post da Mari... juro que me identifiquei na hora... e eu ainda me senti mais "culpada" depois que eu tive o "incidente". Sentia que o bebê tava se "manifestando"; "Alowwwww! Tb tou aquiiiii!"...

Ah, filhos... pode ser 1, podem ser 17, o amor só multiplica mesmo!

Beijos

lolo disse...

Rá, eu quase falei pra minha irma mais nova que no way que minha mae a ama como me ama pq nao e possivel sentir esse amor duas vezes. Pelo visto, eu estou errada, ne???
Re, com qt tempo eu posso por a Lara para brincar no tapetinho?? E aquele "gym", tipo os da fisher price? Bjocas

Dani disse...

Rê, como falei prá Mari, também tenho esse medo...
Mas teambém tenho a certeza que assim que a "imã" nascer vai passar, porque, só de vê-la no ultrasson, quaase morro de amores por ela!
Bom ouvir você confirmar isto! Obrigada....
Beijo, querida!
Dani

Sarah disse...

Nossa Renata, verdade mesmo. A gente não sabe o que é o tal amor incondicional e maior do mundo antes de ter filhos. É mesmo imenso e inexplicável. E é incrível como só aumenta a cada dia né!!
um beijo!

Nutrição e Cia disse...

É verdade esse amor é tao grande que quase não cabe dentro do peito e as vezes dooooooiiii!!!!! Não sei porque acho que é medo que aconteça alguma coisa....Bati na madeira tres vezes tá?! Mas é tudo de bom mesmo. Que delicia né?! Ser mãe é tudibom! Como diz a Ana. 2010 bjs

Cynthia disse...

É realmente uma coisa que vai crescendo, crescendo e nem dá pra explicar. Amor! Felicidade! Agradeço todos os dias por poder ter esse sentimento dentro de mim. Qto ao amor de pai kk vc leu meu post sobre homens grávidos? kkk bjs cy