quinta-feira, outubro 16, 2008


Desabafo...

Eu sou muito prática. Não sou de fazer tempestade em copo d'água e sempre resolvi os meus problemas muito bem. Na minha opinião de nada adianta ficar em casa sofrendo, temos que ir frente e fazer o que precisa ser feito pra resolver, pra deixar a tristeza de lado, pra seguir em frente.
Também não sou de grandes crises, acho que toda escolha gera alguma perda e temos que aprender a lidar com isso. De um modo geral, quase sempre eu estou bem e quando não estou, trato logo de ficar, fazer alguma coisinha pra me animar.
Acho que por isso que eu sou uma ótima conselheira...as pessoas me procuram quando tem problemas e sempre dizem que é ótimo conversar comigo, que eu sempre tenho uma coisa legal pra falar.
Por outro lado, eu não falo dos meus problemas pra ninguém. Nunca! Não divido, não me abro, não gosto de me mostrar vulnerável, não gosto que fiquem com dó de mim. Fico pensando que a pessoa vai me ligar no dia seguinte pra perguntar se eu estou melhor e isso me tira do sério. Orgulho? Sei lá, pode ser um pouco! Acho que por sempre achar que logo vai passar e que eu vou resolver rapidinho, eu prefiro guardar pra mim e resolver do meu jeito. Só que uma hora a gente explode, né?
E é assim que eu to me sentindo agora...prestes a explodir.
O lance é: depressão pós parto!!!
Sim. Isso mesmo!
Eu nunca achei que fosse acontecer comigo, já que (como disse) nunca fui de crises, de depressão ou grandes tristezas. Além disso, ser mãe é meu sonho desde que eu me conheço por gente.
E hoje eu entendo porque é tão difícil falar nesse assunto: porque a gente tem a sensação de que assumir que está deprimida implica em rejeição ao bebê, então as pessoas não assumem que estão tristes, e isso me inclui. Foi difícil assumir que eu estou/ estava/ está passando (sei lá) com depressão pós parto, mas estou mesmo. Eu choro muito e sem motivo, estou super sensível, mal humorada, fico nervosa por qualquer besteira, e faço um drama gigantesco por tudo - o que nem de longe é parte da minha personalidade habitual.
Claro que parte disso é cansaço, mas a depressão pós parto é muito mais comum do que a gente imagina, só que as pessoas simplesmente não falam no assunto. Eu tenho uma amiga, cujo marido me contou que ela ficou muito deprimida e que foi super difícil e tal...aí eu fui conversar com ela pra perguntar como foi, quanto tempo durou e tal...até pra me ajudar. Eu não disse que o marido tinha me contado e só perguntei se ela tinha ficado triste nesse período pós parto e ela me respondeu: "não! pra mim foi super tranquilo". Então tá então, né?? Deixei pra lá.
Cada dia que passa eu to mais apaixonada pelo meu pequeno. Ele está cada dia mais fofo e gostoso...morre de rir, dá gargalhadinhas, olha tudo em volta, cada dia mais esperto. E hoje eu sei que ser mãe é ainda melhor do que eu imaginei...é um amor do tamanho do mundo e uma alegria diária!
E não consigo entender porque essa tristeza insiste em não passar! Eu sei, é super hormonal e meu corpo ainda está sentindo falta de todos os hormônios deliciosos da gravidez, mas já se passaram 3 meses, poxa. Chega, né?
Eu fico pensando que é tudo tão bom na minha vida, tudo tão perfeito, tão lindo, que eu não tenho direito de ficar triste, sabe? E eu acho isso mesmo, é assim que eu sou...no fundo eu tenho raiva de ficar triste...pq não tem motivo! Não tem motivo, eu tenho mais é que agradecer, sabe?? Me irrita muito!
E querem saber se eu conversei disso com alguém?? Não! Ninguém! Até que meu irmão (médico) veio do nada conversar comigo e me dizer que era normal, que eu não precisava me sentir mal e tal...aí agradeci, entendi melhor, assumi.
E hoje a vontade que eu tenho é contar pra todo mundo, pra que as pessoas não se sintam mal como eu me senti, pra que todo mundo saiba é que é normal e pra que saibam que tem alguém por perto passando por isso se quiserem conversar!
Agora que começou a fazer calor eu já dei uma animadinha, porque aquele frio não ajuda naaaaaada quem está deprê, mas hoje de manhã eu tive uma super crise de choro gigantesca e sem motivo aparente...coitado do maridão, que é um lindo e sempre super paciente comigo. 

Afe, chega...sai de mim!!!

13

13 comentários:

Olly disse...

Amore, minha cumadre teve. è normal e nada tem a ver com o bebê... E é muita mudança junta sabe?
O corpo, seu sono, sua vida que bem ou mal muda né? as pessoas tem mania de dizer: ah tá tudo perfito... meu casamento não mudou... Na boa? òbvio que vc não nmora mais como antes, não se sente a mais linda... E fingir pra quê? Fingir pra quem?
É uma fase!
Achei bom vc ter falado. è o primeiro passo pra superar... E vc vai superar!!! E na boa? Pede ajuda pra alguém porque tem muito a ver com estafa... Pedir ajuda pra aluém olhar seu bebê de vez em quando, pra vc tomar um banho mais longo, pra vc ir ao salão, pra tomar um café ou ler uma revista não é nada de mais!!!! Não faz de ngm incapaz ou loser!!!
E nem demonstra menos amor ao bebê...
Isso eu vivi na pele com a minha cumadre e ela resolveu seguir isso e foi bom pra ela... Tenta aí. Mas não se sinta culpada. Vc não é a única...
Xi, me empolguei...
Fica bem, e faça algo por vc, pra vc...
Um beijo querida,

Olly

Ioney disse...

Ãin, que bom que você tem como desabafar. E acho que constatar e assumir o que você está sentindo e entender que é normal, não é errado e tem como melhorar é o primeiro passo.

Procura ajuda mesmo! Fala mais com o seu irmão, com seu médico, sei lá. Sem ter vergonha. A gente não tem que ter vergonha de pedir ajuda quando precisa. Tem que ter orgulho porque reconhece quando o frio está maior que o cobertor!

Milena disse...

Rê!! Orgulho de vc! As pessoas têm uma dificuldade de falar que estão tristes, que não estão bem...
Vc arrasou agora! Na sinceridade! E vai passar sim, claro que vai! Mas pede ajuda Querida! As pessoas que te amam vão amar ajudar!
E qto ao Baby, essa depressão não tem nada a ver com seu amor por ele! Nós sabemos isso e ele tb sente! Com certeza! Então fica tranquila e cuida de vc! Pq cuidando de vc, vc está cuidando dele!
Eu conheço algumas pessoas que falam: "Ta tudo otimo la em casa" e a gente, que olha de fora, sabe que não tá. Então ser sincera, se abrir ajuda não só vc como todo mundo que tá em volta!
Parabéns! Ninguém tem obrigação de ser feliz toda hora! Tristeza faz parte sa vida! E é tão louvável quanto!

Um beijo linda!

helen disse...

Querida, obrigada pela sua honestidade.

Ainda bem que vc optou por botar fora esse sentimento, espero que vc se sinta melhor daqui pra frente. E quando não estiver legal, já sabe que pode contar com a gente :)

beijo!

***chegou?***

Mari disse...

hormônio é uma coisa doida, né? entendo bem essa tristeza fuuuunda e sem nenhuma razão. pra mim, chorar loucamente (e diariamente) era o grande remédio. esvaziava o peito, sabe? parece que criava espaço pro ar entrar. no ombro do marido, melhor ainda... então se joga no moço!
beijão, e fica calma que vai melhorar.
(ah, e tá uma coisa de lindo o filhote!)

May disse...

eu tive tb. e tenho uma personalidade muito parecida com a sua. só que o meu lance maior foi com o corpo.o resto, eu ainda dava um jeito, mas me olhar um bucho no espelho...isso me matava. agora não, estou mais zen, e aos poucos tudo está voltando ao normal...

Ice Ice Baby disse...

haha, eu não tenho depressão pós-parto..mas por ser bipolar eu entendo o q é ser refém de sentimentos.

eu sinto coisas q eu não sei pq eu sinto...e por diversas vezes eu não quero sentir isso e continuo assim, triste, mal humorada, rabugenta...

eu fico puta comigo mesma: "caralho Ice...deixa de ser insuportável!!! q merda!!" mas não passa...o jeito é esperar mesmo...ou tomar remédios.

no seu caso, tenha serenidade e espere...vai passar...a gente só não sabe como ou quando...

bjs chuchu!!!

apertos no pezinho do André!!

João o Astronauta disse...

Comigo foi assim: Depois de uma semana de ter parido, comecei a ficar impaciente e ansiosa, ao mesmo tempo o João começou a ficar + tempo acordado, exigia atenção constante e chorava muito..
Cada vez que ele chorava eu ia me sentindo pior, pensava que não daria conta de ser mãe, que por minha inexperiência aconteceria alguma coisa ruim e quanto mais baixo astral eu ficava mais o João chorava e era uma bola de neve...
Tive a sorte de me dar conta de que eu não tinha super poderes e não podia com o mundo. Eu precisava de ajuda, e me deixei ajudar, ter minha mãe por perto e a ajuda do maridão foram fundamentais pra eu poder me recuperar.
Deixe que te ajudem, procura ter uns minutos do dia só pra você e ânimos... Vai passar!!!

Andréa Ramos disse...

Querida,passa no meu blog e vê o tamanho da confusão que tá na minha cabeça.
Será que eu ainda estou com depressão pós-parto,depois de 14 anos??
Quer saber,nós,as palhacinhas cancerianas,achamos que somos feitas de aço e essa é a grande merda do universo.
Segurei tudo sozinha,fui mãe novinha,sempre voltei da maternidade sozinha,nunca tive mãe do lado para me ajudar,tive uma sogra(que já se foi,perdão,mas graças a Deus)que sempre dizia a mesma frase:-Nossa ,de novo não parece com meu filho!
Cacete,eu tenho culpa se meus filhos parecem mais comigo?
Talvez o filho dela tenha leite C no lugar de sêmem.Ou meu vizinho era mais interessante.
E o bolha nunca abriu a boca para me defender.
O cansaço se instalou,eu me fazendo de forte e poderosa,as dores dessas coisinhas,que para os outros são coisinhas,mas que pra gente é a morte grudou no meu coração e agora que eles cresceram e pensam em si somente,me bateu o desespero de nunca ter sido "eu" de verdade.
Vc está cansada,de saco cheio,mas está tomando conciência disso rápido,o que é muito importante.
Grite,saia do salto,curta seu pequeno sem exageros,ele é uma pessoa e vc outra,ame o seu filho e marido mas primeiro ame a vc mesma.
Para tudo melhorar,vc tem que ser a pessoa mais importante do universo,acredite nisso.
Tome conta do seu corpo,não para impressionar marido,nem amigos,mas para se olhar no espelho e se reconhecer.Eu esqueci disso,só olhei para os filhos,se eles estavam fortes,saudáveis,bem alimentados e esqueci de cuidar do meu peso,da pelanquinha da minha barriga.
Agora aos 38 anos tudo desabou e eu estou me sentindo a irmã mais nova da Dercy Gonçalvez.
Que merda!
Vc sobreviverá querida,mas pense em vc e se quiser chorar,chore ué,quem tem alguma coisa a ver com isso.
Beijos da sua amiga que te gosta muito mas que está completamente insana por esses dias.
Fique com Deus.

Elise disse...

Rê, desculpe ter demorado tanto a falar. Nem vou me alongar, pois as outras já falaram com propriedade, e deram bons conselhos.

Eu tive depressão pós-parto. E sim, admitir é horrível, parece que a gente é menos mãe, que a gente não ama nossos filhos, e não é nada disso.

Quando a gente vira mãe, a gente literalmente enterra uma parte da nossa vida. Quem a gente era, acabou. Aquela pessoa não volta mais. A vida como era não volta mais. E embora felizes com as escolhas que fizemos, e amando nossos bebês, o luto pelo ciclo que se encerrou é inevitável.

Além de hormonal.

É muita pressão que a mãe sofre. De ser correta, de ser boa, de fazer o certo, de amar incondicionalmente...

Eu tenho um amigo que socou a parede uma vez, pra não jogar o filho recé-nascido que berrava pela janela. Tive uma outra conhecida que não queria segurar o bebê, e não o amamentou por dias. E a minha psicanalista chorou três dias quando a filha dela nasceu, e se recusava a aceitar ela como filha pq achou que ela era a cara do tio Funério da família Adams(!).

E são todos bons pais, que amam loucamente seus filhos.

É muito doido Renatinha. E não adianta simplificar dizendo que é porque o casamento dá uma mudada (é verdade), o sexo dá uma mudada (é verdade), o corpo dá uma mudada (é verdade) ou a rotina dá uma mudada (tb verdade). Tudo isso muda, e não pra pior, só DIFERENTE.
Mas não é isso que dá a depressão. É inexplicável.
O processo de virar pai é feliz E doloroso ao mesmo tempo. E negar a parte dolorosa só nos faz mais culpados, pois ela está lá.

Escuta o que estou te dizendo com atenção: VOCÊ VAI FICAR BEM. Confia em mim.
Tudo vai passar.
Falar a respeito é o primeiro passo.
Muitas beijas.

Renata R. disse...

Rê, querida, sou igualzinha a você. Sempre tive dificuldades em falar o que sinto, os problemas.

E isso é péssimo. Faz mal.

Por isso fico feliz de ter conseguido se abrir com seu irmão. E, agora, fazer esse desabafo aqui no blog.

Todo mundo sabe que o lindo do André não tem nada a ver com isso. É hormonal, Rê. É físico. Vai passar, viu?

Fica bem, querida. E um abração bem forte em você.

:***

Cinthya Rachel disse...

vc fez um grande serviço falando sua história! é mais comum do que se pensa, mas as pessoas tem vergonha de revelar. te desejo melhoras e tenha certeza de que tudo passa

O Mundo de Sofia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.